Robô humanoide Anny, pela primeira vez no Brasil na Futurecom


Por Redação

12/10/2018  às  09:28:29 | Atualizado em 13/10/2018 - 10:19:34 | views 125


divulgação

Visitante poderá conferir soluções de IoT que auxiliam no agronegócio, tecnologias de segurança que permitem identificar placas de carro inelegíveis e experiências imersivas de realidade aumentada


A 20ª edição do Futurecom, que acontece entre os dias 15 e 18 de outubro no São Paulo Expo, em São Paulo ( – promoverá uma ampla discussão sobre o impacto das novas tecnologias em um mundo hiperconectado. Um dos destaques do evento será a Anny, primeira robô humanoide, cuja principal missão é simular habilidades e conversas, assim como desempenhar funções de secretária, recepcionista e até mesmo acompanhante de idosos e pessoas com necessidades especiais (PcD s).

 

Atualmente, a Anny está envolvida em projetos dos segmentos de saúde e atendimento em diversos países. Desenvolvido pela Realbotix em sociedade com a NextOS do Brasil e a Daxtron dos Estados Unidos, a robô pode ser personalizada de acordo com a estratégia de cada empresa. A expectativa das empresas é entregar, ao longo de 2019, cerca de 100 cabeças e bustos, que estarão presentes em hospitais, escritórios e eventos.
Além da Anny, os visitantes terão a oportunidade de conhecer outros robôs como a Ada, que atua como trainee de uma empresa; o NAO, mestre de cerimônias, e o robozão de dois metros, que circulará pela feira.

 

Durante o evento, o visitante poderá conhecer soluções que auxiliam na produção de uma vinícola, do plantio à venda; sistemas que utilizam Analytics para identificar letras e números de placas de carros que, muitas vezes, aparecem ilegíveis nas imagens captadas nas ruas pelas câmeras de CFTV, que são de baixa resolução; demonstrações envolvendo as características e impactos da tecnologia 5G na transformação das telecomunicações, além de experiências imersivas a partir do uso de plataformas de IoT.

 

No Futurecom, será apresentada uma solução voltada à Agricultura Inteligente. Trata-se de um dispositivo que é fixado por uma coleira ao corpo das vacas, para monitorar sua atividade no pasto e enviar as informações via rede celular para um servidor que armazena os dados de comportamento dos animais e que poderão ser acompanhados pelo gestor da fazenda. Como resultado, é possível saber de forma mais precisa quando, por exemplo, uma vaca entra no período fértil, pois sua atividade aumenta nessa época. Na China essa tecnologia já é utilizada em mais de 1 milhão de animais conectados, gerando um aumento de 25% na receita de leite.

 

Para Hermano Pinto, diretor de portfólio da Informa Exhibitions e responsável pelo Futurecom, a edição de 20 anos reunirá o ecossistema de transformação digital, que mostrará como blockchain, inteligência cognitiva e artificial, machine learning, realidade virtual e aumentada, cidades inteligentes, segurança de dados, big data e analytics proporcionam novas experiências que irão impactar as relações na Economia 4.0.

 

Totalmente renovado, o Futurecom terá espaços destinados a expor aplicações que envolvem diretamente a conectividade. É o caso, por exemplo, da área que reserva demonstrações de Internet das Coisas ou o Espaço Redes – exposição de empresas com foco em redes, serviços, integração e fornecedores de infraestrutura e equipamentos auxiliares. Outra área é o Futuretech, um ambiente desenvolvido especialmente para mostrar as tecnologias que impulsionam a disrupção e a forma de fazer negócios. As startups, as aceleradoras e o meio acadêmico terão o espaço Inovação, contando com um ambiente especialmente criado para ajudá-los em mentoria, dinâmicas, hackathons e busca de investidores.



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2018 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.