Colunista

Francisco Camargo

Só os paranoicos sobrevivem


19/04/2021 | 00:00:00 | Visto por: 1087 leitores
Andrew S. Grove (1)

     Quando decidi usar o título do livro do Andrew Grove para falar de segurança da informação, não fiz por acaso. Diante de tantos vazamentos, invasões, roubos de identidade, não dá para deixar de ser obcecado com a proteção dos dados corporativos e dos clientes, ainda mais com o dragão da LGPD cada vez mais perto e com o crescente papel da Inteligência Artificial na segurança da informação.

 

     Muito se tem falado que o elo mais fraco da Segurança da Informação é o ser humano.

 

     Para se ter uma ideia, uma pesquisa da Veritas descobriu que 71% dos funcionários no mundo e 84% no Brasil admitem compartilhar dados corporativos confidenciais e de uso restrito por meio dessas plataformas. Além disso, o percentual das pessoas que salvam suas próprias cópias dos arquivos corporativos é superior a 70%.

 

     Sem contar a questão das senhas fáceis ou guardadas sob o teclado e os cliques em mensagens óbvias de phishing.

 

     Com uma parte da cadeia de segurança tão vulnerável, o avanço das tecnologias de proteção de dados e o crescimento da sua adoção (o mercado mundial de segurança de endpoints cresce 4,8% ao ano, segundo a Valuate Reports) parece reforçar que essas soluções nada mais são do que babás de seres humanos ou adult baby-sitter.

 

     Tokenização, Anonimização, Criptografia, Zero Day, Zero Trust (olha a paranoia aí de novo), PAM (Gerenciamento de Acesso Privilegiado), Cofre de Senhas, entre outras tecnologias foram desenvolvidas para evitar que os dados vazem por meio de quem tem acesso a eles.

 

     O uso da Inteligência Artificial mudou a forma como a Segurança da Informação trabalha hoje.

 

     A maior parte dos seres humanos não são paranoicos, tem boa fé e acaba acreditando em outros seres humanos, acredita nas informações recebidas por diversos canais, e-mails, SMS, WhatsApp, Twitter etc.  e aí essas pessoas se tornam vítimas da engenharia social.

 

     As plataformas de segurança, baseada em inteligência artificial, têm que se comportar como paranoicas, não acreditando em nada até prova em contrário, pois toda informação é confidencial e este é o principal conceito por trás da Zero Trust.

 

     Claro que existe a sofisticação de ataques, o de novo, uso da inteligência artificial por parte de hackers e agora com bastante ajuda da dark web, com vários marketplaces de dados roubados, de vulnerabilidades críticas de softwares e de empresas, de malwares e de plataformas, que podem ser comprados ou alugados.

 

     Nessa guerra, os especialistas que desenvolvem soluções avançadas para combater esses pontos fracos desenvolveram a proteção do que está mais próximo do usuário, do seu dispositivo pessoal, do seu endpoint, o XDR – Extended Detection and Response, que é a evolução do EDR, Endpoint Detection and Response.

 

     Se o EDR agregou visibilidade e resposta automatizada para endpoints - laptops e estações de trabalho, o XDR incluiu a análise e defesa de muitos outros pontos de dados da rede como dispositivos IoT, celulares, aplicativos nativos em nuvem, e-mails e, mesmo, contêineres.

 

     Para detectar e responder de forma automatizada, as soluções de XDR baseadas em inteligência artificial, correlacionam dados de diversas camadas de segurança para além do endpoint – aplicações de mensagens, rede, identidade etc. – aprimorando sobremaneira a detecção tanto de vazamentos internos como de tentativas externas de invasão.

 

     Como diz a sabedoria popular, é melhor prevenir do que remediar e, em questões de cibersegurança, de fato, só os paranoicos sobrevivem e é para isso que estão usando a inteligência artificial, para desconfiar daquilo em que acreditamos.

 

(1)  Título do Livro do Andrew Grove, engenheiro, ex-CEO da Intel



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.